07/07/2010

[Música] Quem vem com tudo não cansa. A vida, louca vida de Cazuza - 20 anos sem o músico.

Agenor de Miranda Araújo Neto nasceu em 4 de abril de 1958. Influenciado desde pequeno por grandes nomes da música brasileira ele tinha preferência pelas canções dramáticas e melancólicas. Cazuza se tornou um dos maiores poetas do século XX e um dos maiores íncones da música brasileira. Infelizmente, dia 7 de Julho de 1990, o poeta morre de AIDS após muito tempo lutando contra a doença. O C&O vai contar um pouco mais sobre esse grande artista em homenagem aos 20 anos que ele nos deixa de sua presença mas não de sua arte.

(Cazuza, com dez meses)
(Cazuza, com dois anos na praia)
Barão Vermelho:
Formado inicialmente por Roberto Frejat na guitarra, Dé Palmeira no baixo, Maurício Barros nos teclados, Guto Goffi na bateria e gostando muito do vocal berrado, Cazuza entra na banda como vocalista. Em seguida, Cazuza mostra à banda letras que havia escrito e passa a compor com Frejat, formando uma das duplas mais festejadas do rock brasileiro. Dali para frente, a banda que antes só tocava covers, passa a criar um repertório próprio.
O produtor Ezequiel Neves, após ouvir uma fita demo, convence o diretor artístico da Som Livre, Guto Graça Mello, a gravar a banda. Juntos, convencem o relutante pai de Cazuza, produtor fonográfico da Som Livre, João Araújo a apostar no Barão. Fizeram alguns shows apenas no Rio e em São Paulo. Depois do lançamento do disco "2", que inclui a faixa "Pro Dia Nascer Feliz", vem o sucesso nacional em 1984 com "Bete Balanço", da trilha sonora do filme de mesmo nome e presente no terceiro disco do grupo, "Maior Abandonado". Em Janeiro de 1985 participaram do festival Rock in Rio e em junho é anunciada a saída do vocalista Cazuza, que parte para carreira solo e a entra Fernando Magalhães e Peninha. Frejat assume os vocais.
Carreira Solo:
"Não divido nada, muito menos o palco"
Cazuza deixou a banda a fim de ter liberdade para compor e se expressar, musical e poeticamente. Suspeita-se que nesse mesmo ano começou a ter febre diariamente, indícios da AIDS que se agravaria anos depois. Ele foi internado com suspeita de pneumonia, e exigiu um teste de HIV no qual o resultado foi negativo. Em novembro de 1985 foi lançado o primeiro álbum solo, "Exagerado". Depois de 1986 Cazuza gravou o segundo álbum "Só Se For A Dois".
A AIDS volta a se manifestar em 1987. Cazuza é novamente internado com pneumonia e nessa época o teste de HIV sai positivo. Nos Estados Unidos começa um tratamento a base de AZT, que durou meses. Em 1988, ele lança o terceiro disco da carreira solo "Ideologia". A turnê desse disco é mais elaborada com a direção de Ney Matogrosso. E em 1989 "O Tempo Não Para" foi gravado ao vivo no Canecão.
Em Fevereiro de 1989, Cazuza declara publicamente que era soropositivo, ajudando assim a criar consciência em relação a doença e os efeitos. Cazuza comparece na cerimônia do Prêmio Sharp de cadeira de rodas, onde recebe os prêmios de melhor canção para "Brasil" e melhor álbum para "Ideologia".
"Burguesia", foi gravado em 1989 com o cantor numa cadeira de rodas e com a voz nitidamente enfraquecida. "Burguesia" é o último disco gravado por Cazuza e vendeu 250 mil cópias. Cazuza recebeu o Prêmio Sharp póstumo de melhor canção com "Cobaias de Deus".


No dia 7 de Julho de 1990, Cazuza morre aos 32 anos por um choque séptico causado pela AIDS. Em apenas nove anos de carreira, Cazuza deixou 126 canções gravadas, 78 inéditas e 34 para outros intérpretes. Após a morte de Cazuza, os pais João Araújo e Lucinha Araújo fundaram a Sociedade Viva Cazuza que tem como intenção proporcionar uma vida melhor à crianças soropositivas através de assistência à saúde, educação e lazer.
(Cazuza, com a mãe Lucinha)

Para Cazuza, aos 32 anos, o tempo parou aqui. Mas, para sua música e sua poesia o tempo não para.
Para conhecer mais, ver vídeos, fotos, informações acesse os sites oficiais:


Como muito fã do cantor eu adorei escrever o post e fica a dica para ler a biografia do cantor que é incrível - "Só As Mães São Felizes" de Lucinha Araújo. Vale muito mais que o filme que eu particularmente não gosto.

Com Todo Amor que Houver Nessa Vida.

Por: Thainá

13 comentários:

Benjiro Manza disse...

eu n posso dizer que sou fã do cazusa pois n conheço todas as musicas e ouço pouco, mais admiro muito esse artista q marco e muito a história da musica brasileira eu acho bonito as letras das musicas q eu conheço dele,
fico otimo o post parabens, adorei *3*

Mariah disse...

Um poeta, com certeza.

Anônimo disse...

meninas, o produtor do cazuza, aquele q "apresento" o cazuza ao próprio pai morreu exatamente hj...
não é incrível?

cazuza é mara, merece todas as homenagens

bjones

Thainá disse...

Sim o Ezequiel Neves morreu hoje mesmo, mesmo dia do Cazuza.

Bittersweet baby disse...

salve salve o poeta!

Cah disse...

incrivel, ainda é emocionante ler a historia dele.

como a mariah disse: Um poeta com certeza.

Grazyela Machado disse...

Sempre emocionante, nostalgia pura essas fotos de Cazuza!
http://chistosaseironicas.blogspot.com
bjs

Bruh disse...

cazuza comanda ate hoje, e creio que sera lembrando da mesma forma daqui muitos anos!

brenda santos disse...

Hum
gostei do post e do blog
já estou seguindo
bjs

http://tudodmenina.blogspot.com

Bettina disse...

ah, amei *-* acho que foi o melhor post que já vi por aqui. =D

Geovana Arruda disse...

Dos cantores nacionais é o meu preferido ao lado do Raul,tava vendo esses dias, a maioria dos meus ídolos morreram, que pena!!Cazuza é a trilha sonora da minha maior história de amor, ouviamos muito,e sempre que escuto é como se o Cazuza cantasse nosso começo,meio e fim...Isso me faz sentir mais emoção ao escuta-lo...Lindo post!!bjo

Myrian disse...

olha que tudo o post *o*
ahazou, thainá xD

cazuza sem dúvida um dos melhores poetas que o brasil já teve!
só podia ser ariano, msm, iauiuaoiua :P

Ero-Débora disse...

amei este post, eu amo cazuza *-*

visitem e comentem meu blog

www.estranhomundinhoinsano.blogspot.com

com post sobre o rock dos anos 50