27/07/2010

[Arte/Leitura] Exposição em São Paulo relembra a escritora e jornalista brasileira Pagu.

"O apito da chaminé gigante, libertando uma humanidade inteira que se escoa para as ruas da miséria"
Parque Industrial - Pagu
(Pagu, década de 30)
Patrícia Galvão, mais conhecida como Pagu, foi uma militante comunista, escritora, poetisa, desenhista e jornalista que se tornou musa da 3ª geração do Modernismo.
O poeta Carlos Drummond de Andrade a descreve como "musa trágica da revolução". Pagu foi uma mulher precursora, com uma personalidade inovadora, avançada para a época e a primeira mulher a ser presa por motivações políticas no Brasil.
(Capa do Catálogo da Semana de Arte Moderna de 1922)
Pagu foi casada com o escritor modernista Oswald de Andrade e com ele tem um filho chamado Rudá. Foi presa pela primeira vez pela polícia política de Getúlio Vargas por participar na organização de uma greve de estivadores em Santos. Foi a primeira de uma série de 23 prisões ao longo do tempo. Foi solta em 1933 e, no mesmo ano, publica o romance "Parque Industrial", sobre o pseudônimo de Mara Lobo.
(Oswald de Andrade, Pagu e Nonê, anos 30)
Foi militante do Partido Comunista mas rompeu em 1940, passando a defender um socialismo de linha Trotskista.
Seu segundo casamento e segundo filho foi com o escritor e jornalista Geraldo Ferraz. Em parceria com ele lançou o romance "A Famosa Revista".
Pagu morreu em 1962, até hoje tem inúmeras representações em músicas, dissertações, minissérie, documentários e filmes.
(Pagu e a irmã em Santos, anos 20)
Em São Paulo, está em seus últimos dia uma exposição em homenagem a essa mulher inovadora. Viva Pagu é um projeto que possibilita e democratiza o acesso ao legado libertário de Pagu, agora que em 2010 a musa faria 100 anos. Além disso, a exposição retrata e ajuda a conhecer e entender melhor a sociedade da epóca.
A pesquisadora Lúcia Maria Teixeira Furlani, desde 1988, se dedica ao resgate da mamória de Patrícia Galvão. Ao longo de 22 anos sonha com o projeto e hoje com a colaboração do Centro de Estudos Pagu Unisanta, em Santos, reúne um série de materiais em memória de Pagu.
A exposição está na Casa das Rosas em São Paulo.
No site oficial Viva Pagu você encontra tudo sobre a exposição, as obras e textos, fotos, croquis e tudo sobre a vida de Patrícia Galvão. Se você mora em São Paulo não deixe de conferir.
(Pagu, anos 20)
Site Oficial - Viva Pagu
Mariah

14 comentários:

Thainá disse...

bem legal :)
pena que é só em sp

Valéria disse...

Uma pena que hoje em dias já não existe mais mulheres assim, que faça a diferença, que faça a revolução

Bittersweet baby disse...

adooooooro Pagu, 100 anos, eterna. demasiada fêmea.

Tâmi Guimarães disse...

Cara esse blog é super alto nível!
Adooorooo!!!!
Bjinho!

Carol disse...

super legal! gostaria muito de ir... ela foi realmente um ícone.

Anônimo disse...

Bá essa exposição podia vir pra poa
amei o post mariá, sempre coisas interessantes!
orgulho da Jana

;***

Shandra Regina disse...

Oiii
Já tinha ouvido falar dela.
Pena que é só em São Paulo!!
Otimo texto.
Beijos

tati_nanda disse...

uau...
pagu por onde passava deixava a marca dela neh??
heuehuehue
já vi que você tbm gosta de T.M. neh??

eu amo..
rsrsrs
to seguindo
(=
http://zonzobulando.blogspot.com

Valéria disse...

ta afim de fazer parceriaaaa?

Valéria disse...

Flor... já inseri seu banner no meu blog!!

AGORA
o que eu fiz de errado?
HAUAHAUHAUHAUHA
fiquei 500 horas pra entender como se fazia isso, e a minha imagem ainda não está aparecendooo no seu, somente o link
como eu faço pra imagem aparecer?

[a mais burra]

Valéria disse...

Flor... tentei fazer do jeito que vc me ensinou...
acho que agora está certo, a não ser que eu seja mto otária
HAUHUAHUHAU
tenta o link novo lá por favor?
Obrigada!!!

a little louder, that's all. disse...

Muito legal, não conhecia e achei interessante. Como eu queria ter nascido nessa época!

bj meninas

Ahh... Line. disse...

sim meninas, Pagu foi incrível ,as qdo vi o bukowski ali no canto da tela, me apaixonei no blog!

beijos

Myrian disse...

bem legal :)
pena que é só em sp [2]