04/02/2012

[Cinema] Um cinema sem argumento.

Quando sentiu que não tinha o suficiente com a pintura, Andy Warhol partiu para o cinema. Começou a fazer seus primeiros filmes por volta de 1963, e com eles propôs o problema dos limites entre o artificial e o real. De início fazia filmes muito simples, com a câmera fixa, muito estáticos, e só tinha um ator que fazia o mesmo o tempo todo, com isso se pode contemplar o ator durante horas, assim realizou um tipo de filme sem argumento.

Com seus filmes, propunha ações mínimas da vida cotidiana, sem narração nem momentos privilegiados para construir e concluir uma história. O realismo desses filmes e o polêmico conteúdo tornaram-no um importante cineasta, ainda que em sua época muitos críticos tenham avaliado seus filmes como muito ruins. Abaixo, destacamos alguns:

Sleep
O protagonista é o poeta John Giorno que ficou dormindo enquanto Warhol aproveitou para filmá-lo.

Eat

O artista Robert Indiana parece comer cogumelos durante três quartos de hora, mas na realidade é o mesmo cogumelo.


Empire

O Empire State Building é o estático protagonista, só mudando a iluminação do edifício e a luz ambiental.


Kiss
Vários casais se beijam e cada sequência é um beijo com a mesma duração.




Créditos: Gênios da arte: Warhol.
Mariah

2 comentários:

Thainá disse...

genial

Carol Neves disse...

Não sou muito ligada a diretores.... Mas esse não é o tipo de filme que me agrada.
Beijos